Sei all'interno di >> :.: Dossier | Lenin centenario | #Lenin100 |

Lenine no juízo histórico de Costanzo Preve / por Salvatore Bravo

As palavras de Costanzo Preve captam e exprimem bem o principal preconceito a ultrapassar para restituir as honras e os erros a Lenine e voltar a pôr-nos no caminho.

por Salvatore A. Bravo - terça-feira 23 de Janeiro de 2024 - 1136 letture

Agora que a União Soviética caiu ingloriamente, a precariedade tornou-se uma constante em todas as partes do mundo. Os oligarcas não têm medo do comunismo, por isso actuam sem limites. A oportunidade de reconstruir a internacional dos povos encontra agora as condições históricas, mas falta-lhes a consciência de classe. A grande obra do espírito e da política que nos espera é a reconstrução de uma hegemonia cultural crítica e transformadora para a qual canalizar, sem sectarismos e fechamentos preconcebidos inúteis, as forças que já se opõem ao sistema de dominação e exploração mundial. Antes de mais, há que eliminar a lenda negra do século XX como um século só de horrores, uma versão ideológica para uso do capitalismo, e repor a verdade histórica onde reina a violência ideológica.

As palavras de Costanzo Preve captam e exprimem bem o principal preconceito a ultrapassar para restituir as honras e os erros a Lenine e voltar a pôr-nos no caminho:

"Os historiadores chamam à teoria de que os espanhóis genocidaram de facto os povos ameríndios da América Latina uma "lenda negra". Não sou um especialista nessa história, e o que digo deve ser tomado com o benefício do inventário. Parece-me que os espanhóis quiseram primeiro subjugar e escravizar, ao passo que os anglo-saxões quiseram desbravar o território e, por conseguinte, cometer um genocídio direto. Se estou enganado, por favor corrijam-me.

Por outro lado, como uma imagem vale muitas vezes mais do que mil páginas de teoria, basta olhar para os rostos de George Bush e Hugo Chavez para saber qual dos dois modelos coloniais conseguiu integrar mais os dominados. Ainda hoje, quem vê os programas de televisão americanos vê pretos em todo o tipo de molhos, polícias pretos, bombeiros pretos, até executivos pretos, mas nunca vê casais mistos de brancos e pretos. Perguntem-se porquê e começarão a compreender algo mais sobre o mundo contemporâneo ideocrático imperial dirigido pelos americanos.

Hoje, Lenine é o principal protagonista, juntamente com Hitler e Estaline (os pobres Mao e Mussolini são obrigados a sentar-se na segunda fila!), da "lenda negra" do século XX, um século diabólico em que a utopia da virtude se transformou em terror (Hegel, Merleau-Ponty, Furet, etc.), e em que o comunismo não foi mais do que a aplicação política do nivelamento fordista ao mundo social.

Uma vez que nós, italianos, nos distinguimos sempre por sermos ferozes e bufões (mas muitas vezes não sabemos que os outros reparam, e se não o dizem é apenas por educação!), esta teoria é tão italiana como a pizza e a alta costura, e encontrou em Marco Revelli o seu expoente mais determinado. O ’arrependimento’ da ex-Lotta Continua, esse desagradável fenómeno sociológico, moral e editorial, tem evidentemente uma duração de muitas décadas" [1].

O esquecimento e a censura nas décadas do neoliberalismo totalitário e antidemocrático pós-soviético retiraram Lenine da visão política e filosófica. O sistema domestica os subalternos intoxicados, educando-os para o desespero. Não só não há alternativa, como o sistema é inviolável e invencível, pelo que, seguindo a moral provisória cartesiana, é pedido a cada um que se adapte ao mundo e que mude a si próprio e não ao mundo. Lenine traz de volta a esperança e a praxis, tudo é ainda possível, há que preparar as novas gerações para o possível que pode surgir a qualquer momento. A guerra dos monopólios torna o sistema frágil e instável, por isso a fissura já está nas guerras que se consumam na sua trágica normalidade, falta a consciência de classe, está tudo por construir, e é a grande tarefa que nos espera para superar a anomia alienante do nosso tempo.

[1] Costanzo Preve, Aos oitenta anos da morte de Lenine (1924 -2004), Comunismo e Comunidade, 22 de janeiro de 2014


- Ci sono 0 contributi al forum. - Policy sui Forum -