Sei all'interno di >> :.: Primo Piano | Attualità e società |

Carta aberta aos eleitores cristãos

Una lettera dal Brasile di Frei Betto agli elettori cristiani in vista del ballottaggio del 29 ottobre. Dal nostro girocorrispondente Giuseppe "Pippo" Pisano.

di Giuseppe Pisano - giovedì 26 ottobre 2006 - 3994 letture

Domenica prossima, il Brasile eleggerà il nuovo presidente della Repubblica nel secondo turno tra Lula e lo sfidante Geraldo Alckmin. Secondo gli ultimi sondaggi, la vittoria di Lula sembra scontata ma il recupero di Alckmin negli ultimi giorni di campagna per il primo turno, che ha costretto Lula ad un inaspettato ballottaggio, consigliano un minimo di prudenza.

Nella Lettera Aperta agli elettori cristiani che pubblichiamo, Frei Betto dichiara apertamente il suo voto per Lula e invita gli elettori cristiani a votarlo.

Non è un invito scontato da parte del teologo e giornalista, uno degli intellettuali progressisti più riconosciuti in America Latina, amico personale del presidente.

All’inizio del 2004, a metà del primo mandato del presidente Lula, Frei Betto abbandonò polemicamente il posto di coordinatore del programma governativo Fame Zero. In seguito il governo Lula e alcuni dei suoi più stretti collaboratori è stato fatto segno di pesanti accuse di corruzione ed è stato costretto sulla difensiva proprio su temi come l’etica e la trasparenza che erano state le bandiere di Lula e di tutto il Partido dos Trabalhadores (PT) negli ultimi vent’anni anni di democrazia brasiliana. E allora perché votare ancora per Lula? Perché rinnovargli la fiducia per altri quattro anni?

Frei Betto lo spiega con la chiarezza che gli è propria: la vittoria di Alckmin sarebbe un grave arretramento, significherebbe il ritorno al potere delle élites delle privatizzazioni selvagge, delle politiche sociali assistenzialiste. Le élites che hanno sempre trattato le rivendicazioni dei lavoratori rurali, delle popolazioni indigene, dei neri, delle donne brasiliane come una questione di ordine pubblico. La politica di Lula negli ultimi quattro anni, pur con tanti limiti ed eccessiva prudenza, ha cambiato questa prospettiva di governo, ha bloccato il progetto di zona di libero scambio continentale voluto fortemente dagli Stati Uniti, ha rafforzato il Mercosur, ha condannato fermamente l’invasione dell’Irak.

Non è poco ma, come conclude Frei Betto, Lula deve ancora molto al Brasile e ai brasiliani.


CARTA ABERTA AOS ELEITORES CRISTÃOS

Frei Betto

A 29 de outubro escolheremos quem governará o Brasil nos próximos 4 anos: Lula ou Alckmin. Os dois são cristãos. Os dois nunca deram mostras de tendência fundamentalista, a de querer submeter a política à autoridade de uma Igreja ou religião.

A política é laica, ou seja, neutra em matéria de religião. Ela visa ao conjunto da população, sem levar em conta as convicções religiosas do cidadão ou cidadã. A todos o governo tem a obrigação de servir, assegurando-lhes direitos, proteção e o mínimo de bens para que possam viver com dignidade.

Se nenhuma religião tem o direito de tutelar a política, isso não significa que a política deva se confinar no pragmatismo do jogo de poder. A política se apóia em valores éticos. E nós, cristãos, temos como fonte de valores a Palavra de Jesus. É à luz do Evangelho que avaliamos todas as esferas da atividade humana, inclusive a política ­ que é a mais importante delas, pois influi em todas as outras.

Para Jesus, o dom maior de Deus é a vida. Está mais próxima do Evangelho a política que favorece condições dignas de vida à maioria da população. É neste ponto que as políticas do PSDB e do PT ganham contornos diferentes. Os dois partidos tiveram desvios éticos? Sem dúvida. Como ironiza Jesus, atire a primeira pedra quem não tem pecadoS Errar é humano. Persistir no erro é abominável. Se um membro da família erra, não se pode condenar por isso toda a família. O grave é quando a família toda abraça o caminho do erro.

Este foi o caso do PSDB, partido de Alckmin, nos 8 anos em que FHC (Fernando Henrique Cardoso) governou o Brasil (1994-2002). Empresas públicas foram privatizadas. Grandes empresas brasileiras ­ Vale do Rio Doce, Embratel, Telebrás, Usiminas etc - patrimônios do povo brasileiro, cujos lucros engordavam os cofres do Estado, foram vendidas a preço de banana, e os lucros passaram a ser embolsados por corporações privadas, muitas delas estrangeiras.

Lula não privatizou o patrimônio público. Eleger Alckmin pode ser o primeiro passo para a privatização da Petrobras, do Banco do Brasil, da Caixa Econômica Federal e dos Correios.

No governo FHC, as políticas sociais eram tímidas e assistencialistas. O Comunidade Solidária era uma iniciativa nanica comparada à grandiosidade do Bolsa Família, que hoje distribui renda para mais de 40 milhões de pessoas. Graças a isso, de cada 100 brasileiros que viviam na miséria, nos últimos 4 anos 19 passaram à classe média.

No governo Lula houve, sim, desvios éticos: o caso Waldomiro Diniz; o "mensalão" e os "sanguessugas"; a quebra do sigilo bancário do caseiro de Brasília; o dossiê contra Serra. Não há nenhuma prova de que o presidente soubesse antecipadamente dessas operações inescrupulosas. E ao virem a público, ele tratou de demitir os envolvidos.

No governo FHC, dinheiro público foi usado para tentar socorrer bancos privados: o Proer. O Banco Econômico recebeu R$ 9,6 bilhões. Instalou-se uma CPI que, controlada pelo Planalto, justificou a maracutaia e nunca investigou a Pasta Rosa que continha os nomes de 25 deputados federais subornados pelo Econômico.

Houve ainda os casos dos precatórios; da compra de votos para aprovar a emenda constitucional que permitiu a reeleição de FHC; do socorro aos bancos Marka e FonteCidam no valor de R$ 1,6 bilhão (os tucanos impediram a instalação da CPI para investigar o caso); as falcatruas na Sudam etc. Nada foi apurado, porque o Procurador-Geral da República, Geraldo Brindeiro, conhecido como "engavetador-geral", engavetou, até maio de 2001, 242 processos contra o governo e arquivou outros 217, livrando os suspeitos de qualquer investigação: 194 deputados federais, 33 senadores, 11 ministros e ex-ministros, e o próprio presidente da República.

O governo FHC tratou os movimentos populares como caso de polícia, e não de política. Remeteu o Exército para reprimir o MST e os petroleiros em greve. Lula jamais criminalizou movimentos sociais e, sob o seu governo, a Polícia Federal levou à prisão gente graúda, dos donos de uma grande cervejaria a juízes, e inclusive petistas envolvidos no caso do dossiê anti-Serra.

O governo Lula reforçou a soberania do Brasil. Repudiou a Alca proposta pelo governo Bush; condenou a invasão do Iraque; visitou a cada ano países da África; abriu as portas de nossas universidades a negros e indígenas; estendeu energia elétrica aos mais distantes rincões; manteve a inflação sob controle; impediu a alta do dólar; reduziu os preços dos gêneros de primeira necessidade; ampliou o poder aquisitivo dos mais pobres, através do aumento do salário mínimo.

Lula ainda nos deve muito do que prometeu ao longo de suas campanhas presidenciais, como a reforma agrária. Porém, o Brasil e a América Latina serão melhores com ele do que sem ele. Se você está convencido disso, trate de convencer também outros eleitores.

Vamos votar na vida ­ e "vida para todos" (João 10,10). Vamos reeleger Lula presidente!

Frei Betto é frade dominicano e escritor, autor de 53 livros, e assessor de movimentos sociais.


- Ci sono 0 contributi al forum. - Policy sui Forum -